[ editar artigo]

Atividade física para crianças e adolescentes em tempos de pandemia

Atividade física para crianças e adolescentes em tempos de pandemia

Com o isolamento social provocado pela pandemia da covid-19, crianças e adolescentes deixaram de estar durante parte de seus dias na escola, e junto com todos nós, mantiveram-se em casa durante estes últimos dois anos (2020 e 2021), enquanto aguardamos a vacinação avançar para voltarmos à normalidade. Deste modo, um lugar em que muitos não permaneciam durante tanto tempo voltou a nos marcar: nossa casa.


Leia Também: O que é Cadência?

A realidade de boa parte das famílias brasileiras são de casas que não possuem espaços para a realização adequada de práticas de atividade física, limitando tanto os pequenos quanto os não tão pequenos na manutenção de uma rotina minimamente ativa.

Além disso, o ensino remoto impôs aos estudantes, dos mais novos aos mais velhos, ficarem durante parte considerável do dia em frente às telas, seja da TV, do computador ou do celular, para acompanharem as atividades de ensino que migraram para o meio virtual. E muitas das vezes, sem a presença de espaços em casa para brincar e se movimentar, as telinhas também se tornaram (ou melhor dizendo, já eram, mas se intensificaram como) espaços de diversão, com os jogos virtuais, os filmes e séries e muitas outras atividades, que, assim, somado ao ensino remoto, praticamente tomaram conta do dia-a-dia de todos.

Leia também: Educação Física não tem receita!

Se faz responsabilidade para nós, como profissionais de educação física, orientar mães, pais e responsáveis na busca por alternativas para proporcionar às crianças e adolescentes possibilidades de, mesmo distantes dos pátios, quadras, praças e parques, entre vários outros locais, desfrutar de momentos de práticas de atividades físicas - prazerosas, divertidas e benéficas para o corpo - seja você um professor(a), recreador(a), personal trainer, etc.

Especialmente para as crianças entre 3 a 5 anos, é extremamente importante que a prática de atividade física seja apresentada como tem que ser nesta fase da vida: um momento de diversão! Para a galerinha desta idade, qualquer espaço pode se tornar um local perfeito para brincar - basta estimular sua imaginação! Mas ao mesmo tempo, como ainda são muito pequenos, é necessário certo cuidado e atenção para que não se machuquem.

Por isso, frise aos responsáveis a importância de separar ao menos um período do dia, como no início da manhã ou no final da tarde/início da noite, para não somente se voltar à missão de estar atento à criança, mas sim brincar junto com ela - além de promover uma rotina ativa para a mesma, fortalecerá também o vínculo afetivo entre os dois.

Leia também: Pós-pandemia e atividade física: Qual será o cenário?

Já para as crianças acima de 5 anos até à adolescência, conforme ficam mais velhas, mais autonomia os responsáveis podem e devem dar para que elas mesmas tenham dentro da rotina momentos para a prática de atividade física.

No entanto, para que tal hábito seja natural, continua sendo preponderante que as práticas sejam prazerosas e divertidas, de acordo com o gosto da própria criança/do próprio adolescente, além do estímulo e exemplo também dos responsáveis, pois se não for algo que faça parte do dia-a-dia dos adultos, a criança e principalmente o adolescente o questionará do porquê dele precisar fazer.

E por último, é importante ter consciência que este é o momento ideal para se prevenir, tanto para o presente quanto para o futuro, problemas crônicos de saúde, como a obesidade e, mesmo que precocemente, a osteoporose. Assim, indique e estimule atividades intensas e que promovam impacto, como pular corda (não precisa de muito espaço e em qualquer loja de R$1,99 é possível encontrar cordas de pular) ou dançar (vale até mesmo o Just Dance).

Seja relembrando brincadeiras antigas da infância ou se utilizando das novas tecnologias para botar a criançada para se movimentar, nossas casas podem sim ser espaços de prática de atividade física - adaptar pode ser necessário, mas é sim possível! Cabe então a nós, compreendendo a realidade das famílias com as quais trabalhamos, as necessidades que crianças e adolescentes possuem em relação à seus corpos nesta fase de suas vidas e o que gostam de fazer para brincar e se divertir, sermos catalisadores do movimento e de uma rotina ativa durante o período de pandemia, incentivando e orientando com base nos conhecimentos da nossa área para que ninguém fique parado até o momento de voltarmos totalmente às práticas em grupo.

 

Referência

SANTOS, Maria Tereza; RUPRECHT, Theo. Atividade física: para cada fase, um tipo diferente. Veja Saúde, 2019. Disponível em: <https://saude.abril.com.br/fitness/atividade-fisica-para-cada-fase-um-tipo-diferente/>. Acesso em: 16 Jun. 2021

Esporte & Movimento
Mateus Macedo de Araujo
Mateus Macedo de Araujo Seguir

Ler conteúdo completo
Indicados para você