[ editar artigo]

Emagrecimento: o que seu aluno(a) quer e o que precisa ouvir

Emagrecimento: o que seu aluno(a) quer e o que precisa ouvir

Agora reflita, colega de profissão, quantas vezes você já ouviu do seu aluno ou aluna a frase: "Qual exercício é bom para 'queimar' a gordura da barriga"?

Leia também: Nutrição em jogo: perspectivas para o futebol

Quando o aluno(a) inicia o seu programa de treinamento ou muitas das vezes por conta própria não consegue atingir o seu objetivo e recorre ao profissional, a intenção em sua grande maioria é eliminar a famigerada gordura abdominal. Qual a sua reação frente a esse questionamento?

De fato entre nós profissionais de educação Física, esse tema já está difundido (ou é esperado que esteja): o emagrecimento não é somente a diminuição do peso corporal. Estamos falando aqui de um processo saudável: a perda do percentual de gordura. E é um processo multifatorial que percorre pelo déficit calórico (consumir menos caloria do que se gasta), exercício físico e uma boa qualidade de sono.

Dentro desses pilares existem várias premissas: O que treinar? Quanto treinar? Onde treinar? Como comer? Quanto comer?...

Com certeza os questionamentos são inúmeros e é nosso papel, como profissionais de educação, literalmente educar os alunos em relação ao entendimento do próprio corpo.

Leia também: Tecnologia e inovação na alta performance

Existem sim diversas estratégias de como alcançar o objetivo utilizando treinos aeróbios, treino resistido e como ajustar e adquirir uma alimentação saudável. Isso quem vai estruturar com as adequações de intensidade, volume, duração e tipo de treino é o profissional, no caso nós.

O ponto que quero chegar com esse questionamento é quando nos deparamos com um aluno(a) com esse anseio e que muitas das vezes buscam uma solução imediata. Ou por algum evento, viajem, opinião de terceiros, descontentamento pessoal, etc...

E na verdade quando introduzimos todo o conceito e embasamento para que ele consiga alcançar esse objetivo com saúde acima de tudo, muitos ficam desapontados com a resposta, aliás a grande maioria. E me pego sempre observando a reação dos alunos(as) ao processarem essa informação.

Porque de fato o processo não á fácil e imediato, demanda constância, disciplina, determinação e paciência. E o aluno(a) de imediato passa pelo processo de negação da sua informação, confiante de que você está errado e que existe sim um caminho mais fácil.

Acredito que o nosso papel de conscientização sobre a verdade é imprescindível, a final a resposta certamente não é a que o aluno queria ouvir, é a que ele precisava ouvir. E de fato que essa informação não será em vão, seja em um processo rápido ou um pouco mais lento, ele vai perceber que a sua informação realmente fazia sentido e era verdade.

Leia também: Core: o que é e qual a sua importância no movimento?

O caminho a ser percorrido ainda é grande, pois o nível de desinformados ainda é maior em relação ao público que tem algum conhecimento desse fato, e como a internet além de informações fidedignas, disponibiliza informações falsas. Nossa área fica muito exposta à propagação dessas desinformações. 

Por isso, nós profissionais devemos sempre trabalhar com transparência e com objetivo de agregar conhecimento para as pessoas, não somente vender nosso serviço, devemos promover hábitos saudáveis para que as pessoas alcancem uma longevidade na qualidade de vida. 

 

 

 

Ler conteúdo completo
Indicados para você