[ editar artigo]

Exercício e COVID-19

Exercício e COVID-19

A infecção causada pela COVID-19 pode ser a assintomática ou sintomática, a forma sintomática pode ainda ser dividida como leve ou grave, sendo que indivíduos sedentários ou com comorbidades possuem maiores chances de expressar a forma mais grave da doença, adquirindo a síndrome respiratória aguda grave (SARS-CoV-2). Você sabe a relação de exercício e covid-19?

Leia também em: A relação dos exercícios com peso corporal e a carreira do personal trainer pós pandemia

A covid-19 infecta, sobretudo, as células do sistema respiratório, podendo contaminar o trato respiratório superior, inferior e estruturas coadjuvantes. Desencadeando a chegada de células de defesa e/ou acentuando o quadro inflamatório.  

O sistema imunológico aciona o amparo contra agentes infecciosos. Uma resposta inflamatória eficaz e balanceada resulta em um desenvolvimento sadio da doença. Por outro lado, na forma grave em que a doença se alastra em uma parcela dos pacientes, esses individuos irão receber uma resposta imune agravada.

Esse processo inflamatório, que se torna agravado e mais delicado é chamada de tempestade inflamatória, sucedendo lesões dos tecidos devido a liberação de citocina.

Ainda depois desses indivíduos se recuperarem da doença, tem potencial de manifestar sinais da síndrome pós-covid-19, manifestando sintomas como: 

  • Dificuldade de respirar e raciocinar; 
  • Dores no corpo;
  • Alopecia;
  • Redução da sensibilidade gustativa;
  • Vertigem; 
  • Trombose;
  • Taquicardia;
  • Ansiedade. 

Como forma de reabilitação, a atividade física tem potencial de melhorar a qualidade de vida dos pacientes que tiveram COVID-19, pois exercício físico com intensidade moderada controlam a resposta do sistema imunológico, conseguindo ativar substâncias que diminui a inflamação, libera neurotransmissores que diminui a dor e que gera a sensação de prazer e felicidade, também é capaz de restaurar a função cardiorrespiratória e dos músculos do sistema locomotor.]

Leia também em: Educação Física e a Pandemia: Muito além do esporte

Além de que, fazer exercícios regulares podem ajudar a evitar a doença em sua forma mais grave, pois tira o indivíduo do sedentarismo e regula funções metabólicas e hormonais, tendo em destaque o hormônio Irisina que tem como uma de suas funções reduzir a ação do vírus no corpo
 


Referências:

http://aaai-asbai.org.br/detalhe_artigo.asp?id=1082

https://www.anad.org.br/covid-19-fisiopatologia-transmissao-diagnostico-e-tratamento-da-doenca-de-coronavirus-2019-uma-revisao/

https://www.scielo.br/j/jvb/a/j7v6NtBNvGSGGTDz38wnRxm/?lang=pt

https://www.google.com.br/amp/s/saude.abril.com.br/medicina/sindrome-pos-covid-como-detectar-e-tratar-os-sintomas-mais-persistentes/amp/
https://preprints.scielo.org/index.php/scielo/preprint/download/504/637/656

https://agencia.fapesp.br/hormonio-do-exercicio-pode-modular-genes-relacionados-a-replicacao-do-novo-coronavirus-sugere-estudo/33847/

 

Esporte & Movimento
arthur coelho
arthur coelho Seguir

Ler conteúdo completo
Indicados para você