[ editar artigo]

Influência do conhecimento do metabolismo anaeróbio na prescrição de exercícios

Influência do conhecimento do metabolismo anaeróbio na prescrição de exercícios

O metabolismo anaeróbio é subdividido em dois principais grupos: anaeróbio alático e lático. A diferença entre eles é que, respectivamente, utilizam como principal substrato energético a degradação do grupo fosfato e glicose/lactato. 

A importância desse conhecimento possibilita  a adequação do exercício à especificidade prática da atividade a qual busca se atingir os melhores resultados. Como observa-se no processo metabólico energético, certa predominância de metabolismo inerente a cada solicitação em vista a intensidade e o tempo transcorrido de cada modalidade esportiva ou física.

Seja potência, tal como os 100m rasos, que demanda alta intensidade, alta potência e velocidade, em um curto período de tempo, que chega a durar cerca de 10s masculino e 11s feminino, sendo assim, necessário produção de energia rápida.

Modalidades como estas apresentam predominância do sistema ATP-CP ou anaeróbio alático, ou seja, a atuação deste sistema é maior, porém não exclusiva. A reação é catalisada pela enzima creatina quinase tão rapidamente quanto o ATP é clivado em ADP + Pi no início do exercício, sendo ressintetizada pela reação da creatina fosfato.

Contudo, as células musculares armazenam somente pequenas quantidades de creatina fosfato e, portanto, a quantidade total de ATP que pode ser formada por essa reação é limitada (Robergs e Roberts, 2002).

Essa via metabólica provê a energia para a contração muscular no início do exercício e em exercícios de curta duração e de alta intensidade, ou seja, atividades rápidas e explosivas que durem no máximo 12 segundos (Powers e Howley, 2000).

Para que o corpo do seu atleta esteja mais preparado para as competições, é fundamental que os treinos o preparem para este estímulo, de forma que ter os treinos pautados no funcionamento do metabolismo anaeróbio é importantíssimo.

Se o objetivo do treino consiste na elaboração e prescrição de exercícios  para atletas de alto rendimento que competem em 100m rasos, qual seria a característica do treino? Alta potência e curta duração ? Melhorar a utilização do sistema metabólico inerente a modalidade? Trabalho de velocidade? Descanso? Treino com especificidade? Força muscular em grupos musculares específicos? É de fato importante o conhecimento da fisiologia do metabolismo em programas de prescrição de exercícios para atletas de diversas modalidades? Ou até a outras práticas físicas comuns? 

Perguntas como estas podem te ajudar a refletir sobre os melhores treinos para cada um dos seus atletas. E você, quais outras perguntas faria para moldar seu treino ao objetivo do seu atleta?

 

Referências para o texto:

  • ROBERGS, R.A.; Roberts, S. O . Princípios fundamentais de fisiologia do exercício para aptidão, desempenho e saúde. São Paulo. Phorte. 2002.

  • POWER, K. Scott, HOWLEY, T. Edward. Fisiologia do Exercício: Teoria e Aplicação ao Condicionamento e ao Desempenho. 3.ed. São Paulo: Manole, 2000.


 

Esporte & Movimento
Bruno Pereira de Souza Silva
Bruno Pereira de Souza Silva Seguir

Estudante de Fisioterapia, Triatleta amador apaixonado por fisiologia do exercício, reabilitação e esportes.

Ler conteúdo completo
Indicados para você