[ editar artigo]

Low Carb e Treinamento Físico: é benéfico à saúde associar os dois?

Low Carb e Treinamento Físico: é benéfico à saúde associar os dois?

Muito se fala sobre o que comer ou não, em que quantidade e em qual horário e dia. Este é um assunto que é importantíssimo, pois a alimentação reflete diretamente no desempenho dos treinamentos. O mundo está repleto de nutricionistas milagrosos, que dizem ter a solução do emagrecimento e para uma vida mais saudável. No entanto, muitas vezes isso se traduz em falácias ou fake news.

Leia também em: Nutrição em jogo: perspectivas para o futebol

Uma das dietas mais discutidas e populares é a do low carb, a qual se resume na baixa ingestão de carboidratos em detrimento do consumo de proteínas e lipídios. Mas você sabe o impacto que esta dieta tem no curto, médio e longo prazo, quando associada a uma rotina de exercício físico?

Quando em situação de estresse decorrente do exercício físico, o corpo de uma pessoa com dieta equilibrada, em um primeiro momento, passa a consumir os estoques de glicose rápido e os que podem ser produzidos por meio da via glicolítica, para que em um segundo momento, o consumo de lipídios e proteínas passe a ocorrer.

Assim, pode-se dizer que quando em situação de exercício de alta intensidade e curta duração, o praticante, acaba consumindo um maior estoque de glicose (produto final do carboidrato), enquanto que em exercícios de menor intensidade e maior duração, o corpo humano tende a ativar as vias oxidativas com o tempo de atividade.

Desta forma, quando diante de uma dieta low carb, os estoques de glicose passam a ser menores e os de lipídio e gordura passam a ser uma alternativa para geração de energia durante a prática da atividade física.

Olha só! Esta é a solução para o emagrecimento! Calma, pois o buraco é um pouco mais embaixo.

A dieta Low Carb emagrece quando associada ao exercício? Estudos indicam que isso não passa de uma grande mentira. O grande fator relacionado a perda de calorias e massa lipídica é aliar o exercício físico à uma alimentação equilibrada e promover o balanço energético negativo, junto a um consumo de nutrientes equilibrado (como lipídios, carboidratos e proteínas). 

Nas primeiras semanas e meses, a dieta promove uma redução expressiva no uso de carboidratos para geração de energia - pela ausência do mesmo - e passa a consumir mais lipídios e proteínas. Desta forma, ela até contribui para a perda de gordura, mas quando o assunto é o longo prazo a história muda.

A dieta Low Carb é difícil de manter por muito tempo; por questões de flutuação de peso corporal, o que torna o praticante suscetível a perda até de massa muscular; por aumentar a sensação de saciedade - pela redução no consumo de carboidratos - aumento da produção de corpos cetônicos, que quando em excesso são prejudiciais ao organismo; por questões sociais (aumento de restrições de consumo, faz com que haja menos opções); entre outras.

Quando associada ao exercício, ela promove a perda de peso por conta do maior consumo de líquidos e aumenta o consumo de LDL (colesterol "ruim"), tais fatores apontam que uma dieta muito restritiva pode ser prejudicial ao Sistema Cardiovascular.

Por fim, é importante entender que o corpo humano precisa de carboidratos para sobreviver; para que a função cognitiva cerebral e o desempenho físico sejam bons, o uso de glicose como via energética é fundamental.

Apesar desses apontamentos, muitas dúvidas ainda giram em torno do tema. No entanto, muito já é conhecido.

Assim, quando um aluno aparecer com uma dieta com restrição de carboidratos, procure traçar um plano de treino e orientar com um plano de treino de força bem completo, pois ele reduz a chance de diminuição da massa magra. Além disso, quando associado ao treinamento aeróbio, é capaz também de trabalhar as vias energéticas, visando o emagrecimento e evitar a redução de massa magra.

Leia também em: Dieta ou hábitos saudáveis?

É importante salientar que muitas vezes a opção pela dieta cabe ao aluno e não é papel do profissional de educação física dizer o que é certo ou errado com relação à alimentação - é papel de um nutricionista. No entanto, cabe ao profissional de educação física sugerir e apontar o que pode funcionar e não prescrever uma dieta.

Por fim, é importante ficar claro: não existe dieta milagrosa. Agora, o exercício físico, quando bem planejado e executado, pode fazer milagres.

Esporte & Movimento
Luiz Fernando Fernandes Fortes
Luiz Fernando Fernandes Fortes Seguir

Ler conteúdo completo
Indicados para você