[ editar artigo]

SIT- Sprint Interval Training: Você sabe o que é?

SIT- Sprint Interval Training: Você sabe o que é?

 Você já ouviu falar sobre uma estratégia de treinamento chamada SIT? O Sprint Interval Training é um método que consiste na realização de sprints repetidos com intervalos longos de descanso entre eles. As recomendações dizem que neste protocolo sejam realizados tiros de 20 a 30 segundos, com intervalos superiores a 2 minutos entre as repetições.

 Este protocolo é usado em especial por atletas que praticam esportes de campo e se você ficou interessado em saber mais sobre esta estratégia de treino, dê uma olhada no conteúdo abaixo!

Leia também: Importância dos treinos curtos e intensos no ciclismo

 ste método de treinamento possui como uma das suas principais características a ausência de recuperação completa entre as séries, o que tem por consequência o aumento do estresse metabólico com o passar das repetições. Além disso, é um método que exige tanto do metabolismo aeróbio quanto do anaeróbio, sendo que nas primeiras repetições a contribuição do metabolismo anaeróbio é maior e vai diminuindo com o passar das sessões, consequentemente aumentando a contribuição do metabolismo aeróbio.

 Nas primeiras repetições há uma grande exigência das vias anaeróbias, pois é a via energética que contribui em especial nos primeiros segundos de exercício físico, incluindo aí tanto a contribuição do metabolismo de ATP-CP, quanto da via glicolítica. Com a sequência de sprints e períodos de intervalo que não permitem a recuperação por completo destas vias, o metabolismo aeróbio passa a contribuir mais com o exercício.

Isto porque a ressíntese de ATP-CP depende do aumento do consumo de oxigênio após o esforço físico, durando pelo menos 1 minuto para voltar a níveis basais.

Como se não bastasse isso, pela duração de cada sprint ser de mais de 20s há também uma certa contribuição do metabolismo glicolítico, o que gera um acúmulo de lactato com o passar das séries, exigindo aumento também no consumo de oxigênio após o exercício para trabalhar na remoção deste e na volta de níveis pré-exercício. Sendo assim, com o metabolismo anaeróbio não conseguindo suprir a necessidade energética como no início, o metabolismo aeróbio ganha destaque.

 Claramente devemos levar em consideração a individualidade biológica dos atletas, sendo que cada um deles possui uma aptidão física e um nível de desenvolvimento cardiorrespiratório. Mas de uma forma geral, é possível dizer que o treinamento com sprints intervalados proporciona que se chegue ao VO2MÁX  ou pelo menos muito próximo dele, acima de 90%. Este consumo de oxigênio é muito explicado pela demanda muscular, de acordo com todo o procedimento explicado anteriormente, sendo que o VO2  pulmonar não é muito alto. Um contraponto que deve ser apresentado é que os sprints intervalados não dão um grande estímulo para que os atletas permaneçam por muito tempo na velocidade associada ao VO2MÁX.

Leia também: Dieta ou hábitos saudáveis?

 Com base nas informações disponíveis, é possível perceber que o Sprint Interval Training é um dos que exige maior intensidade por parte dos praticantes e que exige muito do sistema metabólico como um todo. Há de se observar neste tipo de treinamento a utilização da fosfocreatina e do metabolismo glicolítico, o consumo de oxigênio, tanto nas repetições, mas bem importante nos descansos também. Por fim, mas não menos importante, a concentração de íons H+ deve ser levada em conta também.

 Para a prescrição de treinos, estas variáveis podem ser manipuladas e observadas através da duração dos sprints, que não devem ultrapassar 30 segundos, e também dos intervalos de descanso, com duração acima de 2 minutos. É um método interessante quando o intuito é desenvolver a resistência anaeróbia do atleta, sendo ainda mais interessante para aqueles que participam de modalidades que se beneficiam de sprints mais longos.

Referências

BUCHHEIT, Martin; LAURSEN, Paul B. High-intensity interval training, solutions to the programming puzzle. Sports medicine, v. 43, n. 5, p. 313-338, 2013.

FRANCHINI, Emerson; TAKITO, Monica Yuri; KISS, Maria Augusta Peduti Dal’Molin. Performance and energy systems contributions during upper-body sprint interval exercise. Journal of exercise rehabilitation, v. 12, n. 6, p. 535, 2016.

   

Esporte & Movimento
João Marcelo Garcez Ribeiro
João Marcelo Garcez Ribeiro Seguir

Ler conteúdo completo
Indicados para você