[ editar artigo]

Treinamento Cardiorrespiratório e COVID-19

Treinamento Cardiorrespiratório e COVID-19

O mundo todo já está cansado de saber o que é COVID-19. No entanto, poucas pessoas sabem quais são os benefícios do treinamento físico, em especial o cardiorrespiratório, para prevenção de infecção e possível atuação viral grave no organismo.

Ressaltando, a COVID-19 é uma doença que afeta com mais ênfase o sistema respiratório. O acometimento por esta doença pode afetar vários parâmetros respiratórios que são essenciais para disponibilidade de oxigênio para outros tecidos do corpo (Ex: coração, sistema nervoso e etc...), podendo causar danos aos alvéolos pulmonares e consecutivamente fibrose, fator que limitará significativamente a função respiratória do indivíduo acometido.

Ok, mas qual é a importância do treinamento cardiorrespiratório nesse caso?

O treinamento cardiorrespiratório é caracterizado por utilizar como principal fonte de energia as gorduras do corpo (tecido adiposo) e realizar prioritariamente reações químicas que utilizam oxigênio para formação de ATP (energia celular).  Desta forma, o treinamento cardiorrespiratório promoverá várias alterações metabólicas como:

- Maior utilização de gordura (por aumento da taxa metabólica basal);

- Maior atividade e biogênese mitocondrial (organela responsável pela respiração celular);

- Maior expansão pulmonar (pelo fato deste tipo de treinamento estimular esta ação);

- Maior coordenação e resistência dos músculos que trabalham durante a inspiração (principalmente o diafragma);

- Maior força de contração cardíaca que, naturalmente, promove maior disponibilidade de sangue para todos os tecidos;

- Aumento do consumo máximo de oxigênio (VO2máx), que é a capacidade que o organismo tem de captar oxigênio pelos alvéolos, transportar pelo sistema arterial e utilizar pelas células dos tecidos/órgãos;

- Produzir maior quantidade de miocinas/moléculas anti-inflamatórias, como interleucina-10, interleucina-6 muscular, interleucina-37, irisina e muitas outras;

- Melhorar a atividade das células imunológicas.

Sendo assim, a prática do treinamento cardiorrespiratório induz melhoras significativas sobre o funcionamento do corpo. Estas melhoras, se o treinamento for mantido, são sempre mantidas ou melhoradas. Desta forma, uma pessoa que realiza o treinamento cardiorrespiratório (e outros também) pode:

1 - Diminuir a chance de contaminação por COVID-19, por ter um sistema imune mais aprimorado;

2 - Ser contaminada, porém não ter sintomas, pois o sistema imune será mais efetivo que o vírus;

3 - Ser contaminada e ter sintomas leves, pois terá maior capacidade de respiração e de várias outras funções.

4 - Em raros casos, ser contaminada e ter sintomas graves precisando de internação, pois OS ESTUDOS CIENTÍFICOS CONCLUEM:

"O maior fator de proteção do organismo e prevenção de sintomas graves é a PRÁTICA DE EXERCÍCIOS FÍSICOS".

Por fim, quando uma pessoa fisicamente ativa é contaminada, o vírus dificilmente se sobressai sobre seu organismo; e quando uma pessoa sedentária é contaminada, o vírus facilmente se sobressai sobre seu organismo. Isso acontece pois a pessoa ativa tem um organismo muito mais forte e eficiente em vários aspectos. Além disso, a recuperação pós COVID-19 da pessoa ativa, na maioria dos casos, é mais rápida e menos desconfortável.

 

REFERÊNCIAS: 

- Rooney S, Webster A, Paul L. Systematic Review of Changes and Recovery in Physical Function and Fitness After Severe Acute Respiratory Syndrome-Related Coronavirus Infection: Implications for COVID-19 Rehabilitation. Phys Ther. 2020 Sep 28;100(10):1717-1729.

- Alawna M, Amro M, Mohamed AA. Aerobic exercises recommendations and specifications for patients with COVID-19: a systematic review. Eur Rev Med Pharmacol Sci. 2020 Dec;24(24):13049-13055. 

- Cabral-Santos C, de Lima Junior EA, Fernandes IMDC, Pinto RZ, Rosa-Neto JC, Bishop NC, Lira FS. Interleukin-10 responses from acute exercise in healthy subjects: A systematic review. J Cell Physiol. 2019 Jul;234(7):9956-9965.

- Brawner, C. A., Ehrman, J. K., Bole, S., Kerrigan, D. J., Parikh, S. S., Lewis, B. K., ... & Keteyian, S. J. Inverse relationship of maximal exercise capacity to hospitalization secondary to coronavirus disease 2019. In Mayo Clinic Proceeding. 2021 Jan;96(1):32-39).

Esporte & Movimento
Henrique Izaias Marcelo
Henrique Izaias Marcelo Seguir

Profissional de Educação Física - UNOESTE Laboratório de Fisiologia Endócrina: Regulação Hormonal e Expressão Genica - USP Laboratório de Análise da Plasticidade Muscular - UNESP Grupo de Estudo de Fisiologia do Exercício - UNOESTE

Ler conteúdo completo
Indicados para você