[ editar artigo]

Varie as cargas de treinamento apenas com o peso corporal

Varie as cargas de treinamento apenas com o peso corporal

Você já refletiu sobre a possibilidade de usar o peso e os atalhos corporais para gerar mais intensidade no treinamento de força?

Quando o assunto é treinamento de força, muitos acreditam que aumentar a carga é apenas aumentar ou diminuir o peso que se coloca nas máquinas, nas barras ou até mesmo trocar de halteres para mais ou menos pesados. Por outro lado, às vezes você deve se deparar com a situação de que deseja aumentar ou diminuir a carga e não há cargas suficientes para "improvisar" durante o treinamento. Fatos como estes são comuns. No entanto, fique tranquilo. A solução para essa questão pode estar no próprio corpo. Mas, como assim?

Leia também em: Entenda os desafios do preparo para o Teste de Aptidão Física

Isaac Newton, físico que desenvolveu as famosas 3 leis que tratam sobre a dinâmica do movimento, disse que “uma força aplicada a um corpo acarreta na aceleração desse corpo de magnitude proporcional à força e inversamente proporcional a massa” e que "a forma como essa força é imposta e a distância dela em relação a um eixo fixo, geram um determinado torque, capaz ou não de girar, movimentar ou virar objetos".

Assim, pode-se dizer que dependendo da forma como se dá essa aceleração e do modo e local que essa força é executada, a dificuldade de mover um objeto pode ser maior ou menor. Disso, surge o conceito de alavanca, que são constituídas pela Força de Resistência, Força de Esforço, Haste Rígida e Eixo. As alavancas podem ser interfixas, quando o eixo é localizado entre as forças; podem ser inter resistentes, quando a força resistente (carga) está entre a Força de Esforço e o Eixo; e por fim, podem ser interpotentes, quando a Força de Esforço, é localizada entre a Força de Resistência e o Eixo.

Depois desta explanação de caráter científico, o conceito de alavanca pode ser direcionado para o treinamento de força.

Quando um movimento é executado, o braço de alavanca é determinante para a carga do exercício. Quando o conceito de alavanca é direcionado para o ato de praticar treinamento de força, pode-se entender que quando um exercício é executado através de uma alavanca interpotente, o movimento é facilitado; por outro lado, quando é feito de forma inter resistente, é mais dificultado.

Está na hora de facilitar a explicação!

Por exemplo, quando um abdominal é executado com as mãos flexionadas próximas à região da cabeça, a carga será menor do que se ambos os braços estiverem esticados acima da cabeça. Ou, quando um movimento de elevação de ombro é executado, com os braços flexionados, a carga será menor do que se o movimento é executado de forma lateral.

Assim, a dica que fica é: quando você for montar um treino, pense que a solução para a variação de carga não está necessariamente ligada à adição ou não de "pesos"; o próprio corpo pode ser a solução.

Além disso, é fundamental reconhecer as limitações e as motivações do seu aluno para assim planejar o plano de forma que você gere o estímulo correto para ele. Por fim, reconheça os atalhos do corpo e entenda que existem 'n' formas de variar o estímulo de grupamentos musculares.

Leia também em: OLHA O PROJETO VERÃO CHEGANDO!

O que acha de repensar a forma como você planeja seus treinos e variar os estímulos de maneira diferente?

Esporte & Movimento
Luiz Fernando Fernandes Fortes
Luiz Fernando Fernandes Fortes Seguir

Ler conteúdo completo
Indicados para você